domingo, 8 de abril de 2012

O Douro sem fim!



"O Douro sublimado.(...) Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso da natureza. Socalcos que são passadas de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor, pintor ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis da visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta." É assim que Miguel Torga descreve o rio Douro e as suas vertentes, paisagem sublime e deslumbrante que deixa o comum dos viajantes sem palavras. Imersa nesta beleza natural está Sanfins do Douro, rodeada dos seus socalcos vinhateiros, Património da Unesco desde 15 de Dezembro de 2001. Duas explicações surgem para a origem do seu nome: uma relacionada com um culto cristão muito antigo a São Félix, tendo posteriormente derivado para Sanfins. A outra está relacionada com a sua posição geográfica, situada nos limites do Douro e Trás-os-Montes: "São os fins do Douro"! D. Fernão Sanchez, filho bastardo de D.Dinis, foi senhor das terras de Sanfins, por doação de seu pai em 1258. Localizada no Alto Douro e pertencendo ao Concelho de Alijó, esta Vila, é habitada desde os tempos pré-históricos. Vestígios arqueológicos como machados de pedra e de sílex (período neolítico), moedas cunhadas, pontes e estradas romanas, testemunham a sua passagem pelas terras de Sanfins. O saber e tradições de diferentes povos e culturas, espalhou-se pelas suas terras, e levou as suas gentes a explorar o ouro e outros metais existentes. Mas o bem mais precioso desta terra é o seu vinho, muitas vezes denominado de Néctar dos Deuses, onde se incluem o vinho Moscatel e o vinho do Porto. Ao longo de gerações o saber foi-se transmitindo e de facto a vinicultura é o orgulho das gentes de Sanfins!
Do alto do monte, Sanfins é vigiada pelo Santuário da Senhora da Piedade, local que proporciona uma vista panorâmica sem igual e possuidora de uma beleza natural deslumbrante. No segundo Domingo do mês de Agosto celebra-se a Romaria de Nossa Senhora da Assunção, orago da freguesia, segundo uma tradição com mais de dois séculos. Esta romaria arrasta multidões de toda a zona envolvente, e a disputa de quem transporta o andor é um dos momentos altos desta tradição popular. Entre os seus filhos mais ilustres destaca-se o Padre Manuel Nóbrega, que aí terá nascido por volta de 1517, e que foi fundador da cidade de São Paulo no Brasil, e a minha MÃE! Apesar de não ser sanfinense de origem, a minha mãe era-o de coração. Nascida em plena cidade do Porto, foi nesta terra perdida no meio das vertentes verdejantes do Douro, que ela passou a sua infância em casa dos padrinhos. Toda ela vibrava por Sanfins. Como dizem as suas gentes falar de Sanfins do Douro, da sua santa, da sua terra a um sanfinense é falar-lhe ao coração, pois tanto a sua devoção à santa como à terra, são ponto de honra. E nisso a minha mãe era sanfinense pura! Os seus olhos iluminavam-se sempre que dela falava, a sua voz transmitia pura alegria quando nos contava as suas histórias, a sua alma transbordava quando via imagens ou noticias das terras do fim do Douro. Deleite puro era o que sentia. Ainda hoje recordo com muita emoção a nossa visita a Sanfins. A minha mãe tornava-se criança: calcorreava as suas ruas, revivia os seus locais, reconhecia as suas gentes. Como ela dizia muitas vezes Sanfins...é diferente!