quarta-feira, 11 de abril de 2012

Conduzimos ou somos conduzidos?


Noutro dia estava a chegar a casa no meu carro do século XXI e parada num semáforo com uma fila do mesmo século, pus-me a pensar nos carros que tive. E fiquei nostálgica! Recuando muitos anos, mas mesmo muitos, pensei nos cartuchos de música que os meus pais tinham no carro...do tamanho de um actual livro de bolso, com uma pega numa das extremidades, faziam o furor da altura. Músicas do Demis Roussos, Nana Mouskouri, Bee Gees e muitos mais, eram a novidade do momento. E quando chegavam ao fim não era preciso rebobinar, começavam outra vez! Parecia magia. Depois vieram as cassetes. Que grande evolução. Podíamos gravar as nossas músicas, na ordem que mais gostávamos, e podíamos misturar bandas, tudo na mesma cassete. Era fabuloso. Quando acabava um lado era só virar e ouvir o outro repleto de  músicas que nos faziam encher os pulmões e cantar desalmadamente. O mais aborrecido era quando a fita rebentava de tanto ser ouvida. Enrolava-se toda no rádio do carro e era uma aflição! Primeira operação: tentar tirar a cassete sem danificar demasiado a fita; segunda operação: abrir a cassete e enrolar a fita direitinha nas bobines; terceira operação: colar os bocados que partiram com fita-cola e reconstruir a cassete; quarta operação e última: tornar a ouvir no aparelho de radio do carro e esperar que não rebentasse outra vez. A música por vezes tinha uns pequenos saltos e cortes, mas isso não importava nada. Éramos especialistas na área e o que interessava era voltar a ouvir a "nossa" música. Uns anos mais tarde apareceram os CD e tudo mudou! Arrumamos as nossas "ferramentas" de arranjo de cassetes e deixamos de ser necessários. O CD não tem fita! Mas a música é fantástica, o som fabuloso e rapidamente as cassetes são esquecidas. Podemos continuar a gravar as nossas músicas à nossa maneira, e ocupam menos espaço no carro. Escolhemos o CD que queremos e é só encostar para trás e deliciarmo-nos a ouvir a música escolhida. Mais uma evolução sem dúvida. Neste momento, quando olho à minha volta sentada no interior do meu carro todo moderno, não vejo cartuchos, nem cassetes, nem CD's..agora já nem vejo nada, só ouço. Tudo está gravado numa pen drive escondida no interior de uma pequena caixa ao lado do condutor. Centenas de músicas todas juntas. Já não pego em caixas, só carrego com o meu dedo num botão do volante e escolho o nome da música, no ecrã que tenho por cima da consola. Prático e eficaz. 
Lembro-me ainda quando abria os vidros do carro com a mão, andando à roda com uma pequena manivela colocada na porta. E o que ela rodava! Às vezes até empancava e era preciso levantar ou baixar o vidro à mão. Depois apareceram os vidros eléctricos à frente e todos queríamos experimentar. Era um continuo subir e baixar de vidros, tal era a novidade. Mesmo quando chovia tínhamos que abrir os vidros, nem que fosse só um bocadinho!Num instante todos os carros começaram a ter vidros eléctricos e deixou de ter piada, e agora já ninguém liga à fantástica novidade que foram os vidros de abertura automática. Mas mais giro era nos dias de calor. Não se falava ainda em ar condicionado, nem nada parecido. A nossa refrigeração era automática: abríamos os vidros todos do carro, e lá íamos todos despenteados tal era a ventania produzida. Não se ouvia nada, nem música, nem pais. Quando parávamos nas filas de transito, olhávamos para o lado e víamos outras famílias despenteadas e cheias de calor. E que bom era parar...tentávamos compor um pouco a cabeleira e os ouvidos deixavam de zumbir. Mas pelo menos conseguíamos refrescar o ambiente do carro, mesmo em dias de calor abrasador. Agora isso é impensável. Vamos hermeticamente fechados nos nossos invólucros, indiferentes ao que se passa lá fora, com o nosso ar condicionado ligado. Eficaz e prático. 
E a alavanca do ar, quem se lembra? Nos dias de muito frio, tínhamos que sair de casa uns minutinhos antes para aquecer o carro. Era ligar, puxar o botão do ar e carregar um bocadinho no acelerador e deixar trabalhar o motor, para aquecer. Depois devagarinho, bem devagarinho, podíamos ir empurrando o botão do ar, e rezar para que o carro não fosse a baixo. Quantos murros no volante eu dei, após os minutos de espera. Mas não havia nada a fazer. Era voltar a fazer tudo de novo, até arrancar. E os espectadores que tínhamos à volta a ver o andamento da situação, e a dar palpites... Era uma cena digna de um filme! Procuro no meu carro o botão de ar, ou coisa parecida. Não há. Nem ignição tenho...é um botão vermelho que diz start, e só tenho que lá carregar para ligar o carro. Tão simples e tão eficaz!  A tecnologia é de facto imprescindível, pois promove a  nossa segurança, o nosso conforto e faz-nos estar mais disponíveis para o prazer de conduzir. Eu adoro conduzir. Tenho imenso prazer em sentar-me ao volante, meter as velocidades e sentir o carro responder aos meus pedidos. O domínio que temos da máquina é uma sensação avassaladora! Mas se pensarmos bem agora quase tudo é computorizado: as luzes dos faróis ligam e desligam sozinhas, o limpa-vidros começa a limpar mal sente umas gotas de chuva no vidro, os sensores de estacionamento avisam quando estou a ficar perto demais de algum carro ou objecto, as portas abrem e fecham à distância, e se me esquecer fecham sozinhas...existe um manancial de funções automatizadas que há coisas que eu já nem me lembro que existem! Ainda há quem tenha mudanças automáticas, estacionamento automático, comandos por voz...existem carros que fazem quase tudo sozinhos
O que fazemos nós lá dentro? Num futuro próximo vamos conduzir carros, ou serão os carros que nos vão conduzir? Como diz Virgílio Ferreira, no seu livro Escrever, a tecnologia que inunda o mundo de hoje, e a ciência que a serviu, não invadem apenas a parte exterior do homem, mas também os seus domínios interiores. Assim o que daí foi expulso não deixou apenas o vazio do que o preenchia, mas substituiu-o ...