segunda-feira, 12 de março de 2012

Telegrafia em Portugal


Nunca pensei vir a interessar-me tanto por telegrafia! Mas de facto tenho actualmente um carinho especial por este tipo de telecomunicação, agora quase extinta. Tudo começou quando descobri que tive um trisavô de nome José Bento Dragazzi de Figueiredo que era telegrafista, e além de exercer esta profissão foi ainda inventor de um telégrafo! Fiquei fascinada e então procurei saber tudo o que podia sobre telegrafia.
Como é do  conhecimento geral a telegrafia foi inventada por Samuel Morse,  que nasceu em 27 de Abril de 1791, em  Charlestown, Massachusetts nos Estados Unidos. Em 1838, o famoso Código Morse começou a ser utilizado e a telegrafia começou a dar os primeiros passos. Mas foi só em 1844, que foi terminada a primeira linha telegráfica, entre Baltimore e Washington, e a primeira mensagem a ser transmitida foi "What hath God wrought!" ("Que obra fez Deus!"). Neste caso foi mesmo o Homem! O grande desenvolvimento da telegrafia deu-se no meio militar,tendo sido amplamente utilizada nas comunicações durante a 2ª Grande Guerra. Actualmente é ainda utilizada pelo radio amadores. Portugal foi um dos países pioneiros na utilização da telegrafia, no tempo de Fontes Pereira de Melo. Em 1855 foi lançado o primeiro cabo submarino entre Lisboa e os Açores, mas as primeiras linhas a serem inauguradas em 1856, foram entre o Terreiro do Paço e as Cortes e o Palácio das  Necessidades e Sintra, onde passava férias a família real. Em 1857 eram abertas ao público as linhas de telegrafia.
No final do século XIX já havia 8000 quilómetros de linhas telegráficas, com estações em Lisboa, Sintra, Mafra, Caldas da Rainha, Alcobaça, Elvas, Évora, Coimbra, Porto entre outras.

Voltemos então ao meu trisavô, de nome José Bento Dragazzi de Figueiredo, que nasceu no Forte da Graça, em Elvas no dia 21 de Julho de 1836. Seguindo as pisadas do pai, foi militar mas apenas durante 4 anos, pois a paixão pelas comunicações falou mais alto. Tornou-se telegrafista e foi como 2º Aspirante dos Telégrafos que desenvolveu um Transmissor Comutador de 3 direcções, que permitia comunicar com 3 estações diferentes simultaneamente. O aparelho foi testado nas estações de Sintra e Mafra, tendo obtido óptimos resultados pelo que começou a ser utilizado na Estação Principal em Lisboa. Por esta invenção foi premiado pelo Ministro das Obras Públicas com 18$000 réis, no dia 10 de Novembro de 1882, conforme noticiado no Diário de Notícias. Apresentou ainda ao Director Geral  dos Correios, Telégrafos e Faróis, o desenho de uma mesa, elaborada por ele, contendo um para-raios comutador duplo (evitava as descargas eléctricas que destruíam muitos dos aparelhos), um transmissor também de comutador duplo modificado e um translactor simplificado e modificado (que facilitava as comunicações). Estes aparelhos evitavam graves problemas aos serviços, permitindo que se tomasse conhecimento automático do que se passava nas outras estações urbanas quando estavam em comunicação directa. Foi dada pelo Ministro das Obras Públicas, uma verba de 20$000 réis para a construção desta mesa.
A notícia do Jornal termina comunicando que "estes aparelhos foram inventados por um empregado meramente prático e que, pela reforma de 7 de Julho de 1880, foi preterido por todos os empregados mais modernos de inferior classe e da sua; quando era Telegrafista de 4ª Classe, foi dado como incompetente e por demente por um membro da Comissão Classificadora...sendo um homem de distinta aptidão e não tendo uma única nota que manchasse a sua vida pública no decurso de 24 anos de serviço efectivo." A tenacidade venceu! O telégrafo Dragazzi foi construído a 31 de Dezembro de 1880. Está referenciado no Museu Internacional de Telecomunicações, na Alemanha. 
José Bento Dragazzi de Figueiredo faleceu a 28 de Maio de 1892, na freguesia da Sé no Porto. Como sua descendente directa é com enorme orgulho que aqui deixo este testemunho, pois nas minhas pesquisas foram poucas ou quase nenhumas as referências que eu encontrei ao seu nome. Mas a obra fica e o nome Dragazzi voltou a ser falado, nem que seja apenas por mim!