terça-feira, 20 de março de 2012

Onde está o Senso Comum?


Senso Comum num grau incomum é o que o Mundo chama de Sabedoria  (Coleridge, Samuel). A expressão senso comum designa um conjunto de saberes e opiniões que uma determinada comunidade acumulou no decorrer do seu desenvolvimento. É um tipo de conhecimento que se acumula no nosso quotidiano e se baseia na tentativa e erro. É o senso comum que nos permite sentir uma realidade menos detalhada, menos profunda e imediata e vai do hábito de realizar um comportamento até à tradição que, quando instalada, passa de geração para geração. É um acto de agir e pensar que tem profundas raízes culturais e sociais. Esse saber comum constitui um património que herdamos das gerações anteriores e que partilhamos com todos os indivíduos da comunidade a que pertencemos. Os princípios do senso comuns são os chamados princípios imediatamente conhecidos de toda a gente: de identidade e não contradição, de razão suficiente, de causalidade, de finalidade e o primeiro principio básico e prático que manda fazer o bem e evitar o mal. Ou seja o princípio da sobrevivência!  Esta herança cultural que constitui o senso comum manifesta-se tanto em relação aos comportamentos ligados à sobrevivência imediata, o comestível e o não comestível, o perigo e a segurança, como em relação aos sentimentos e valores que organizam e situam o desenrolar da vivência dos homens, tais como o belo e o agradável, o bem e o mal, o justo e o injusto. 
O conhecimento vulgar ou popular, às vezes denominado senso comum, não se distingue do conhecimento científico nem pela veracidade nem pela natureza do objecto conhecido: o que os diferencia é a forma, o modo ou o método e os instrumentos do "conhecer" (E. Lakatos). Os provérbios populares são os exemplos vivos do senso comum, passado de geração em geração: "Espera de teus filhos, o que a teus pais fizeres"; "Água fervida alimenta a vida"; "Chuva em Janeiro e não frio, dá riqueza no estio";"Cuidados e caldos de galinha, nunca fizeram mal a ninguém"...
A vida moderna, de frenesim constante, está a deixar o senso comum para trás. As tradições não se passam, as gerações não convivem e o senso comum está a desaparecer aos poucos.Tudo está tão formatado, tão complicado que não há espaço para o saber antigo.Não interessa, não é cientifico, não está regulamentado... Já não se pára para pensar. Age-se num impulso. Tudo tem que ser resolvido rapidamente, pois tempo é dinheiro. Já não sabemos fazer nada sem recorrer a especialistas. Não resolvemos nenhuma situação sem pedir uma opinião; não tratamos uma pequena maleita de um filho sem recorrer ao hospital. O medo de falhar, de errar, de parecer mal perante a sociedade é tão grande e está tão incutido em nós que é melhor que a culpa seja de outrem se alguma coisa correr mal. Nada de correr riscos...Não vale a pena fazer um esforço e deixar a natureza humana mostrar a sabedoria. Como diz o ditado popular "quem mal entende, mal conta" e quando a tradição não é entendida e apreendida, não pode ser ensinada!